DIÁRIOS FINANCEIROS DIGITAIS - Fundación Capital
20288
page-template-default,page,page-id-20288,page-child,parent-pageid-20148,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-13.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

DIÁRIOS FINANCEIROS DIGITAIS

Pessoas “bancarizadas” de baixa renda podem ter acesso a produtos e serviços financeiros, mas a maioria não se utiliza muito desses serviços e grande parte do uso é feito inapropriadamente. Em consequência, essas pessoas não se beneficiam das vantagens de fazer parte do sistema financeiro formal. Elas também são excluídas das finanças digitais, pois consideram as interfaces e a navegação complexas e não amigáveis para o usuário. Muitos dos esforços para a inclusão financeira e educação financeira digital no mundo todo visam pessoas com pouco uso da tecnologia e talvez novas no sistema financeiro formal. Muitas dessas pessoas pertencem ao segmento oral da sociedade. Pessoas “orais” não se sentem muito confortáveis com números escritos e também confiam no cálculo mental em relação à matemática. Todos nós que estamos trabalhando para implementar serviços financeiros digitais para inclusão financeira precisamos conhecê-las muito bem.

 

Além disso, a colaboração parece ser fundamental. É por isso que a Fundação Metlife, Guia Bolso, Plano CDE e a Fundación Capital uniram forças no Brasil, realizando estudos e testes piloto para desenvolver insights e wireframes com base em Human-Centric Design (HCD) de educação financeira digital, para poder diminuir as barreiras para a população de baixa renda e segmentos iletrados. Juntos, estão lançando um projeto que visa a uma mudança de comportamento em relação ao uso de contas existentes e uso sustentável de serviços financeiros.

 

Como? Adaptando um aplicativo de finanças pessoais pré-existente para melhor se adaptar a indivíduos de baixa renda (em grande parte, receptores de benefícios sociais), ele será especificamente projetado para atacar os fatores que prejudicam sua relação com o sistema financeiro.

 

A ideia é adaptar um aplicativo de finanças pessoais — Guia Bolso —, um dos mais famosos aplicativos de finanças pessoais no Brasil, com o nome da organização que o desenvolveu. Para a adaptação, e com o apoio do Plano CDE , a Fundação Metlife e a Fundación Capital realizaram um levantamento para melhor entender a experiência de usuários de baixa renda no manejo e entendimento do aplicativo Guia Bolso atual. As principais conclusões dessa avaliação sugerem que há pouco conhecimento e muita desconfiança em relação a bancos. Os participantes relatam dificultades em assumir controle financeiro e planejar despesas. Contudo, existe uma demanda por melhores formas de controle financeiro, com ferramentas que possam gerir e entender com facilidade. Além disso, suas principais preocupações em relação a esse tipo de aplicativo estão relacionadas com a segurança e a memória do telefone. Os participantes não se sentem muito seguros em relação a inserir dados bancários no aplicativo e não gostam de sobrecarregar seus telefones com novos aplicativos devido aos limites de memória do telefone.

 

Com esse feedback e os resultados desse esforço colaborativo, o aplicativo em uso está sendo atualmente ajustado para se adequar às características de pessoas de baixa renda e ajudá-las a melhor entender e controlar com facilidade sua conta bancária, enquanto fazem uso de mensagens de educação financeira reforçadoras com potencial para:

  • Aumentar a confiança dos usuários no uso de suas contas bancárias, o que poderia levar a um aumento no uso de suas contas simplificadas e serviços correlatos;
  • Melhorar as capacidades financeiras dos usuários de forma a que eles possam fazer um uso sustentável de serviços financeiros formais e melhor controlar sua vida financeira;
  • Melhorar seu bem-estar financeiro e o poder de fazer boas escolhas.

 

Espera-se que o novo aplicativo seja lançado em maio de 2018.